Vida

No mundo de Sofia

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

A dor humana, as vezes, não cabe na casa palavra.

Acredito, entretanto, que a palavra pode vir a ser um socorro à alma humana.

Refletindo, escrevemos. E escrevendo, vivemos e conseguimos conviver com a dor.

Por isso escrevo, com Sofia no coração.

 

De Sofia, lembro da felicidade.

Como carece para nós, adultos, sorrirmos. Como é dificil espiritualizarmos o cotidiano que nos cerca.

Quantas vezes, no grupo Monsenhor Bianchini, que refletia sobre o sentido da vida, ou discutia alguma pergunta “de gente grande e séria”, fomos surpreendidos com: “Já pode comer?”, da pequena. Só não recordo quem era o último a parar de rir.

Feliz quem convive com seres humanos que são a porta aberta para o riso!

Eis o sentido da vida: direcionar a vida para Deus com alegria, sorrisos e felicidade.

Afirmou Bento XVI: “Onde há tristeza, onde morre o humor, aí não está certamente o Espírito Santo, o Espírito de Jesus Cristo. A alegria é um sinal da graça”.

Reconhecer a felicidade em coisas miúdas. Um desafio enorme para quem não tem coração de criança.

E lembro: criança é o que está sendo criado. Quão bom é sentar-se para brincar com uma criança que não tem outra preocupação a não ser o momento presente, sem maiores obrigações.

Quem não gostou tanto das brincadeiras foi Gavião, o cachorro rottweiler de nosso amigo Tiagão. Pois a pequena, com 7 anos, usou-o como montaria. Coisas do mundo de Sofia!

 

De Sofia, penso sobre ter tempo de abrir-se ao outro.

Outra grande dificuldade do homem moderno: ter tempo para o outro.  

Como podemos saber que novidades o outro pode nos trazer, se nunca vamos ao seu encontro? Nos é mais confortável eliminar aquele que não corresponde as nossas expectativas.

Sofia compreendia melhor quando entrava no mundo do outro, claro, da forma mais inusitada e simples possível.

Jesus, da mesma forma, entra no coração dos que se abrem a Ele. E assim encoraja as pessoas a se mostrar em sua mais sincera verdade. O baixinho Zaqueu, por exemplo.

Afinal, qual será a alegria de quem receberá os presentes doados por Sofia?

Diria o poeta em uma linda canção Eucarística entitulada ‘Canção para Cristo’: “Ir ao encontro dos outros é o segredo pra vencermos a nós mesmos”.

 

Com Sofia, imagino a eternidade.

Num sábado de sol, partiste.

Recordo o início de um poema do jornalista carioca Giusepe Chiaroni:

“Eu quero voltar pra casa, meu pai.

Quero voltar.

Depois de tanto girar,

Esqueci ou desconheço

O meu primeiro endereço

a luz do primeiro lar […]”

Voltaste a tua Casa, “Sosô”. Voltaste a teu Primeiro Lar.

Através da mesa Eucarística, poderemos estar mais perto de você a cada Celebração.

Para os que ficam, jamais esqueçamos que a vida pode ser mais simples, amiga e feliz, como ela. Eis a nossa missão até que Ele nos chame.

Ziraldo, finalizando a belíssima obra “O Menino Maluquinho” conclui o que há em meu coração (adaptado a Sofia):

“E foi então que toda a gente descobriu que ela não tinha sido uma ‘menina maluquinha’. Ela tinha sido uma menina feliz!”

Até um dia!